Florianópolis / SC - quinta-feira, 17 de agosto de 2017

HIPNOSE CONDICIONATIVA: TRATAMENTO

HIPNOSE CONDICIONATIVA: TRATAMENTO

É uma forma de tratamento onde o hipnólogo trabalha diretamente com a mente INCONSCIENTE da pessoa. Neste sentido, para que o processo seja efetivo é necessário que haja um estado de permissão do cliente.



Abaixo, encontra-se disponibilizado um artigo com o trabalho realizado com 30 pessoas.



Dúvidas poderão ser esclarecidas enviando uma mensagem para noranadir@hotmail.com


 

HIPNOSE CONDICIONATIVA:

uma experiência clínica demonstrada com trinta transtornos emocionais.

 

DEDICATÓRIA

Dedico este trabalho as pessoas que contribuíram para o meu sucesso profissional e pessoal ajudando-me nas dificuldades diárias e respeitando as minhas limitações de presença física e emocional.  São:

Minha Mãe Nadir Francisca Soares, Meu Pai Arnoldo Antônio Soares, Minhas filhas Eduarda Nora Rypchinski e Priscila Nora de Cássio e Minha irmã Nezita Nadir Soares da Silva.

À vocês dedico  minha força, minha fé e meu amor divino.


AGRADECIMENTO

 

Agradeço à todos os clientes que realizaram a Hipnose Clínica Condicionativa, os quais manifestaram alto nível de confiabilidade na terapeuta e assumiram responsabilidades no próprio processo criativo de cura.

Também agradeço à todos os clientes que não realizaram a Hipnose e que, amorosamente cederam seus horários para que o trabalho pudesse ser realizado com os clientes que aderiram a Hipnose em seus tratamentos.

À todos os clientes meus sinceros agradecimentos pela confiança, disponibilidade de horários e pelo afeto positivo à minha pessoa na busca incessante da realização pessoal e profissional.

À vocês fica todo o meu respeito, admiração e um trabalho regido pelas leis do comprometimento e envolvimento com o grande desafio da organização bio-psico-social de cada cliente na sua singularidade.

  


I N T R O D U Ç Ã O

 

A Hipnose como um ambiente que acalma.

 

Desde a mais tenra idade a vida apresentou-se com o espetáculo da Hipnose. Meu pai em sua juventude autodidata iniciou atividades com hipnose, naquela época  (1956) como uma diversão para as pessoas do Ribeirão da Ilha. Minha mãe, sua assistente acompanhou todo o processo de um trabalho artístico passando por uma metamorfose e sendo útil em necessidades de curativos em ferimentos de extrema dor. Sendo uma época em que a medicina estava distante daquele lugar, foi possível hipnotizar as pessoas para que o curativo pudesse ser realizado sem dor.


Ao longo da minha infância sempre escutava as histórias fantásticas dos meus pais sobre hipnose e o poder da mente humana. Nesta época, implementou-se na minha mente o desejo de felicidade plena por meio de vencer as doenças e aprender mais e mais sobre a vida e o processo de viver.


Aos sete anos emergiu o desejo de ser professora e a luta constante para a realização deste ideal de vida, sempre vencendo os inúmeros obstáculos que surgiam na trajetória, mas jamais desacreditando. A existência apresentou-se com outros delineamentos inesperados e o “ser professora” somente  realizou-se 43 anos após o nascimento. Interessante que neste momento especial da vida (2007) outro ideal já havia se enraizado ao ser. Nesta época dois ideais eram intensamente latentes: ser Professora e ser Psicóloga. Sete anos se passaram, obstáculos superados e os dois ideais de vida se concretizaram e se harmonizaram em um único: a busca incessante pela Paz interior do ser humano.


Em 2014, Professora nas disciplinas: Ética e Qualidade no Trabalho, Técnica em Vendas no curso técnico de Transação Imobiliária e Relações Humanas no curso técnico de Hospedagem; Psicóloga Clínica Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental e  Palestrante Motivacional na área da Saúde e do Trabalho percebeu-se que era o momento perfeito, exato e necessário para a realização de mais um projeto: desenvolver-se em Hipnose Clínica, ou seja, Buscar a excelência em Saúde Emocional passou a ser o foco principal de todo o trabalho profissional e, também, da vida pessoal.

                                                                                                

Logo, o interesse pela formação em Hipnose Clínica  foi estimulada diariamente e concretizou-se com a realização do Curso de Hipnose Clínica Condicionativa – Dr. Luiz Carlos Crozera – Diretor do Instituto Brasileiro e da Sociedade Ibero-Americana de Hipnose Condicionativa, também criador deste modelo teórico de Hipnose.


Em Março de 2014 iniciou-se e concluiu-se o curso. Após, esperou-se o processo do desenvolvimento cognitivo se estabelecer, de acordo com a Teoria Piagetiana – Jean Piaget onde, há a afirmação de que para o processo de aprendizagem se concretizar é necessário etapas do desenvolvimento cognitivo, que são: Assimilação (recebimento de novas informações), Adaptação (como um processo biológico natural de adaptabilidade das informações recebidas), Acomodação (o mundo interior precisa mudar para adaptar o que foi assimilado) e a Estabilidade Mental (ocorre quando todo o conhecimento assimilado foi devidamente internalizado e se transforma em saber-fazer). Considera-se ainda, que essa organização mental inicia todo o processo novamente a cada nova informação recebida pela mente/cérebro. Então, seguindo a Teoria da Epistemologia Genética foi desejoso esperar quinze dias para iniciar o trabalho clínico com a Hipnose Condicionativa. Neste período foi-se percebendo gradativamente o novo conhecimento sendo integrado aos conhecimentos adquiridos anteriormente.


Portanto, cabe ressaltar o apoio técnico profissional, após o curso, do Professor Doutor Luiz Carlos Crozera, esclarecendo todas as dúvidas e orientando procedimentos para os casos gravíssimos. Excelência profissional foi o que ficou registrado no conceito a esta pessoa que realmente valoriza a vida humana e a saúde das pessoas. Dr. Crozera! Um exemplo de humanidade, humildade e profissionalismo a ser seguido.


No curso foi possível aprender técnicas suficientemente boas para tratar a saúde emocional. Á partir desse conhecimento, foi possível escolher cinco técnicas para tratar as pessoas que procuram o consultório de Psicologia para aliviar suas angústias. Essas técnicas são: Energização (para tratar a auto estima e impurezas do corpo físico e mental); Regressão da Memória – Técnica do Cofre (para tratar a carga emocional registrada nos traumas vividos); Ressignificação em si e em pessoa admirável (para despertar as qualidades existentes em cada pessoa); Mecanismos Condicionadores – MC’s (Pensamentos positivos implantados na mente inconsciente para proporcionar qualidade de vida); Progressão Mental (uma visão no futuro atendendo a meta terapêutica do cliente). Logo, o raciocínio lógico que se manifestou foi: Energiza-se a mente e o corpo e retira-se as impressões negativas sobre hipnose, trata-se  os traumas e toda a carga emocional associada ao trauma, ressignifica-se as qualidades pessoais, implanta-se os novos pensamentos e sensações, faz-se um ajuste emocional para o tempo futuro. Dessa forma, ativa-se o Potencial Criativo de Cura que reside em cada ser humano.


A hipnóloga apresentou-se com grandes expectativas no processo de cura emocional que a Hipnose Condicionativa possibilita. Seguiu todas as orientações recebidas durante o curso e aumentou seu grau de percepção e interpretação da realidade para administrar possíveis contratempos na aplicação das técnicas e do aprendizado. Para tanto, buscou realizar a hipnose condicionativa na qualidade de paciente para que pudesse sentir todo o processo mental, físico e comportamental para fins de compreender o mecanismo da mente humana na trajetória do transe hipnótico e pós-transe. Dessa forma, foi possível ter clareza de raciocínio na dinâmica das técnicas com seus clientes. Logo, o aprendizado se estabeleceu de forma dinâmica, interativa e processual reunindo conhecimentos técnicos e sensoriais.


O atendimento ao cliente foi mediado pelo Código de Ética Profissional dos Hipnólogos Condicionativos, considerando todos os Parágrafos deste código e respeitando a individualidade de cada pessoa, assim como, sua singularidade emocional.  Fez-se um resumo analítico do resultado do trabalho para cada cliente e obteve-se autorização para divulgar os casos que seguem neste documento.


A fluência das energias durante as técnicas da Hipnose Condicionativa foi surpreendente. Gerando fluxo energético nas mãos da Hipnóloga e intensa magnetização com alguns clientes manifestando-se no formato de reações fisiológicas e emocionais, e, também, foi percebido um desgaste mental na hipnóloga. Este último, possivelmente pela quantidade de clientes atendidos no mesmo período de tempo. O nível de responsabilidade e expectativas também foi importante no desgaste mental. Logo,  iniciou-se um novo aprendizado: a Desmagnetização energética, neutralizando dessa forma, possíveis reações indesejadas.


Concluiu-se o trabalho de despertar o Potencial Criativo do cliente realizando uma análise do processo individual que caracteriza em detalhes todo o esforço dispêndido em prol da qualidade de vida e da saúde humana, buscando-se formas de favorecer a superação das adversidades da vida. Neste sentido, novos projetos individuais foram se estabelecendo visando a eficiência dos resultados e o retorno a vida tranqüila, de paz interior e sabedoria.                                                                                                                                                      

PROBLEMA:

Como tratar o estado emocional do ser humano de forma ágil, eficiente e eficaz

possibilitando um tratamento efetivo de curto prazo?

 

JUSTIFICATIVA:

Acreditando-se que a saúde pode sobrepor-se a doença, e que a doença é criada por modelos de funcionamento psicológico mal adaptativos, é possível  desenvolver métodos que facilitem o processo de equilíbrio orgânico, mental e social. Logo, tratando o estado emocional do ser humano pode-se obter o sucesso esperado na homeostase do organismo.

Durante sete anos de prática clínica utilizou-se a Terapia Cognitivo-Comportamental para regular o ambiente interno de cada cliente e, assim, proporcionar uma condição estável do organismo como um todo, onde, a mente e o corpo interagem em perfeita harmonia numa rede de interligações e interdependência. Logo, numa visão de complexidade orgânica e salutar percebeu-se a necessidade de uma Terapia dinâmica e breve.

A abordagem cognitivo-comportamental enquadra-se nesta linha de objetividade, porém, é um trabalho a nível consciente que dependerá do desejo de cura presente no inconsciente da pessoa. Então, é possível que a nível consciente a pessoa tenha o desejo de curar-se visto que, os sintomas são fortes e implicam no desempenho global da vida. Mas, a nível inconsciente a pessoa pode ter outras necessidades, por exemplo,  de acolhimento, proteção, amor e atenção.  Necessidades essas satisfeitas com o adoecimento. Então, a mente inconsciente cria a resistência psicológica que inviabiliza o tratamento ou torna-o mais lento trazendo desânimo e estagnação frente ao planejamento terapêutico estabelecido para tratar a doença, ou seja, a própria pessoa que deseja curar-se também deseja permanecer adoecida. Neste sentido, a própria pessoa que deseja curar-se passa a ser um sintoma que implica na cura. Tendo conhecimento dos grandes benefícios da Terapia Cognitivo-comportamental e das possibilidades de mudanças no sistema de crenças das pessoas, sabendo que esta abordagem ensina a pensar e a usar estratégias comportamentais que viabilizam a saúde mental, física e social, sentiu-se necessidade de atender o aspecto inconsciente que leva o ser humano a ser resistente na busca da saúde. Portanto, buscou-se na Hipnose condicionativa as respostas para este dilema terapêutico:  Como tratar o estado emocional do ser humano de forma ágil, eficiente e eficaz possibilitando um tratamento efetivo de curto prazo?



  

O   C U R S O

 

O curso de Hipnose Clínica Condicionativa foi realizado em Florianópolis nos dias 14, 15 e 16 de Março de 2014 ministrado pelo  Professor Luiz Carlos Crozera, fundador do INSTITUTO BRASILEIRO DE HIPNOLOGIA - Sociedade Ibero Americana de Hipnose Condicionativa disseminando técnicas para mobilidade da saúde emocional, física e social em prol da vida humana.

 

Os contatos do instituto são:
Central de Cursos: 0055 (14) 3622 8027 - (14) 98102 0556 (Tim)
MSN: 
instituto_hipnologia@hotmail.com 
Website: 
www.institutohipnologia.com.br

 

No curso foi possível desenvolver habilidades novas para gerar mais competência na prática clínica em prol da saúde do ser humano que é danificada diante das adversidades da vida e da competitividade do mercado de trabalho, sendo este, um dos fatores geradores de estresse, depressão e pânico de acordo com a experiência clínica de sete anos.

O interesse pelo curso emergiu diante da identificação familiar e profissional com a prática da hipnose, bem como, com as possibilidades de desenvolvimento do processo criativo de cura das pessoas que necessitam de acompanhamento psicológico. Logo, cito as palavras do autor:

 

Responsabilidade técnica: Luiz Carlos Crozera (Autor da Hipnose Condicionativa e Teoria da Concepção, Diretor do Instituto Brasileiro de Hipnologia e Sociedade Ibero Americana de Hipnose Condicionativa)

 

Objetivos:  Preparar, capacitar e aperfeiçoar pessoas para ciência da Hipnose Clínica Condicionativa, com técnicas exclusivas desenvolvidas pelo autor, possibilita a melhoria da qualidade da vida humana, serve como importante fonte de tratamento terapêutico e coadjuvante aos tratamentos convencionais, aplicáveis em todas as áreas da saúde, inclusive na educação, desportes, criminalística e recursos humanos.

Indicações Terapêuticas: Auto Estima, Força de Vontade, Ansiedade, Estresse, Depressão, Hipertensão, Insônia, Fadiga Física e Mental, Reflexos, condicionamento físico, concentração de memória, Dependências (Álcool, Fumo, Drogas em geral e Medicamentos), Gagueira, Tiques Nervosos, Traumas, Fobias, Síndromes, Obesidade, Compulsividade, Desvios Comportamentais, Impotência Sexual, Distúrbios e Transtornos (Sexuais, da Idade e Emocionais), Timidez, Oratória, Preparação de pacientes para pré e pós cirurgia, Controle da Dor, Doenças Psicossomáticas, entre inúmeras outras aplicações. (http://www.institutohipnologia.com.br página “Programa do curso” 2014).

 

Registro Propriedade Intelectual (Direitos Autorais) - IGAC-MC - 4369/2006. Patente INPI - R.P.I: 114.09. Registro de Propriedade Industrial - INPI Brasil número 2170.

 

A S   T É C N I C A S

 

Durante o curso foi possível conhecer as técnicas desenvolvidas por Luiz Carlos Crozera e ter ciência dos seus benefícios. Visto que, os alunos vivenciaram o processo técnico durante o curso. O Instituto Brasileiro de Hipnologia desenvolve um trabalho excepcional com a aplicação das técnicas abaixo:

- TÉCNICAS DE CONDICIONAMENTOS MENTAL (sessão de tratamento) 

Técnica de indução ao relaxamento físico e mental (método subliminar – transe lento – progressivo).

Baixar a frequência mental e fixar do nível do sono terapêutico. 

Técnica de descondicionamento da mente, com bloqueio do emocional negativo (traumas),  método regressivo de memória (de forma direta, fracionada ou anual).*

Técnica de recondicionamento da mente (Linguagem dos MCs).*

Técnica de condicionamentos interno (metabolismo orgânico).*

Técnica de condicionamentos externo (programação mental utilizando os sentidos de percepção, relógio biológico, reações ao meio, comportamento e mobilidade).*

Técnica de energização.*

Técnica de analgesia e anestesia.*

Técnicas de ressignificações, projeções e progressões de memória.

Técnica para controle de abstinência (controle do mecanismo da vontade).*

Sonoterapia.* 

Técnica de chaveamento mental.* 

Retomada da consciência normal, saída do sono terapêutico.

(http://www.institutohipnologia.com.br página “Programa do curso” 2014).

 

Registro Propriedade Intelectual (Direitos Autorais) – IGAC-MC – 4369/2006. Patente INPI – R.P.I: 114.09. Registro de Propriedade Industrial – INPI Brasil número 2170.

 

 

Durante o processo de aprendizagem, foi possível escolher cinco técnicas para trabalhar na prática clínica. São:

Inicia-se a sessão de Hipnose Condicionativa (1ª e 2ª etapas) aplicando-se duas técnicas essenciais, que são:

a)    Técnica de indução ao relaxamento físico e mental

b)    Baixar a frequência mental e fixar o nível do sono terapêutico. 



 Após, iniciou-se a 3ª etapa utilizando-se para cada sessão uma das  cinco técnicas abaixo:

 

Técnica de Energização

(com foco nas impurezas do corpo físico e no despertar da auto estima);

 

Técnica de descondicionamento da mente, com bloqueio do emocional negativo (traumas),  método regressivo de memória (de forma direta, fracionada ou anual);

 

3ª Técnicas de ressignificações (em si e/ou em pessoa admirável) aborda as qualidades, habilidades e competências inerentes do ser humano;

 

4ª Técnica de recondicionamento da mente (Linguagem dos MCs) associada a Técnica de condicionamentos externo (programação mental utilizando os sentidos de percepção, relógio biológico , reações ao meio, comportamento e mobilidade) e sendo necessário, inclui-se a Técnica para controle de abstinência (controle do mecanismo da vontade) e/ou acrescenta-se a Técnica de analgesia;

 

5ª Técnica da progressão de memória (condiciona a mente a tempos futuros saudáveis).

 

A técnica do Chaveamento Mental é incluída na terceira etapa do tratamento onde as técnicas supracitadas são desenvolvidas, dessa forma, cria-se as condições necessárias para o bom desempenho das sessões posteriores. Na quarta etapa do tratamento realiza-se a retomada da consciência normal e a saída do sono terapêutico.

A realização deste trabalho contou com 253 horas trabalhadas, sendo 178 horas no consultório e 75 horas (extra-sessão) destinadas para a construção dos Mecanismos Condicionadores – MC’s.

 

A duração das sessões foram:

 

Técnica aplicada

Tempo de duração de cada sessão

Tempo Total de Produção dos Mecanismos condicionadores para novos comportamentos

Energização

1h30min

 

 

75 horas de trabalho

extra-sessão

Descondicionamento dos traumas (Regressão)

1h30min

Ressignificação em si e/ou no outro

1h

Mecanismos Condicionadores

1h

Progressão mental

1h

 

   

 

 

MOTIVOS  QUE IMPEDEM O SONO TERAPÊUTICO (TRANSE HIPNÓTICO)

 

Ansiedade excessiva, dificuldade de concentração e atenção, medo e insegurança no tratamento, estar sob efeito de drogas e/ou remédios estimulantes, estar condicionado a dormir somente com calmante, falta de confiança e credibilidade no terapeuta, não querer resolver o seu problema, participar da sessão como curiosidade, participar da sessão sob pressão psicológica, desconforto físico, algum tipo de incomôdo. (CROZERA, Apostila Introdutória, p. 7)

 

Nesta experiência clínica foi possível verificar que o estado de curiosidade, o ambiente com barulhos excessivos, a comodidade no divã, o tamanho da sala, a falta de uma música de fundo, a dificuldade de concentração e pessoas hiperativas foram os motivos que implicaram no transe hipnótico dificultando o acesso ao estado mental permissivo para tratar o desequilíbrio emocional na sua origem.

A percepção e clareza dessas situações foi fator preponderante na mudança do estado físico do ambiente que interferia no estado emocional.

Um motivo inesperado e surpreendente nesta experiência clínica que implicou no transe hipnótico foi: é de práxis colocar a mão na testa do cliente para baixar a ansiedade inicial, porém, um cliente preferiu colocar uma almofada sobre a testa e os olhos para conseguir relaxar ao nível de trabalhar com o fenômeno da Hipnose informando que a ansiedade aumenta com o toque da mão em sua testa.

 

  

 A HIPNÓLOGA

 

Nora Nadir Soares,

 

Psicóloga Clínica Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental com registro no Conselho Regional de Psicologia – CRP 12/06649 desde Abril de 2007 e filiada ao Instituto Brasileiro de Hipnologia com registro na Sociedade Ibero Americana de Hipnose Condicionativa sob o número 1891 desde Março de 2014.

 

Professora no Centro de Educação Profissional Jorge Lacerda – CEDUP-JL de Fevereiro de 2011 a Dezembro de 2014 Ministrando as disciplinas: Ética e Qualidade No Trabalho, Relações Humanas e Técnica em Vendas.

 

Palestrante Motivacional desde Abril de 2007 na área organizacional com foco na era da inteligência social necessária a contemporaneidade. Desenvolve palestras sobre Saúde, Habilidades Sociais, Comunicação, Vendas, Motivação, Liderança, Relação Intra e Interpessoal.

 

Contatos para atendimento presencial:

Fone comercial: (48) 9937 - 7212

E-mail: noranadir@hotmail.com   

Site Médico: http://noranadirsoares.site.med.br

 

 

Contato para atendimento ON LINE:

Site de atendimento ON LINE em Terapia Cognitivo-comportamental de acordo com a normatização do Conselho Regional de Psicologia:

WWW. http://noranadir.com.br/

 


A FLUÊNCIA DA ENERGIA DURANTE A HIPNOSE

 

Tratando-se de compreender um pouco mais sobre energias que interferem na vida humana, foi possível fazer grandes observações nesta experiência clínica. Chama-se de psicoenergia toda carga de energia (positiva, negativa ou neutra) gerada pela mente, pelas emoções e pelas ideias. Pressupõe-se que a nível energético há uma interação entre as energias das pessoas, que fluem no ambiente e por meio deste. Encontra-se no dia a dia pessoas com uma psicoenergia de Luz e outras nem tanto. Pode-se perceber a influência dessas energias no campo magnético do ambiente. Muitas vezes ao deparar-se com psicoenergia positiva tem-se uma leveza, bem-estar e esperança. Ao deparar-se com psicoenergias negativas tem-se o oposto.

Sabe-se que o mundo está sobrecarregado de energias negativas, é possível percebê-las quando é chegado o dia do Jogo do Brasil na Copa do Mundo. As ruas da cidade guardam uma psicoenergia negativa quando todos fecham suas lojas e apressadamente dirigem-se para suas casas com a finalidade de assistir o jogo. A energia que flui entre as pessoas é percebida no nono andar de um edifício, onde de lá é possível sentir a agressividade, a pressa, a intolerância no trânsito. O clima no nono andar fica pesado e gera mal-estar.

Visto esse exemplo, é possível utilizar a psicoenergia positiva para harmonizar o campo energético vibracional das pessoas em sofrimento psicológico. Pois, comprovou-se cientificamente que:

 

A Psicobioenergética demonstra que uma célula vital construtora pode ser estimulada pelos pensamentos, sugestões e condicionamentos positivos, a fim de potencializar na memória genética a capacidade de cura, até mesmo erradicar células cancerosas. Por aí se vê que a maioria das doenças inicia pelo pensamento negativo. (CROZERA, pg. 43, 2014).

 

 

 

Acreditando-se num campo magnético criado na relação entre duas pessoas, foi possível perceber a relação sinergética por meio dos acontecimentos para os quais ainda não obteve-se explicações pontuais, principalmente com os  quatro clientes relacionados abaixo, pois foram experimentadas sensações intensas e diferentes dos demais.


Cliente

Ocorrência

 

Cliente 03

Na sessão de Energização, ao iniciar o relaxamento, a hipnóloga começou a sentir um fluxo forte, intenso, de energia em sua mão. Este fluxo permaneceu numa distância de 10cm da mão e fluía de tal forma que não adentrava e nem saia na mão. Sendo Reikiana, a hipnóloga colocou a energia a favor da cliente direcionando-a para o Chackra cognitivo.

Nas sessões subseqüentes esse acontecimento não ocorreu.

 

Cliente 04

 

Na sessão de Energização, ao iniciar o relaxamento, a hipnóloga começou a sentir um fluxo forte, intenso, de energia em sua mão. Este fluxo permaneceu numa distância de 10cm da mão e fluía de tal forma que não adentrava e nem saia na mão. Sendo Reikiana, a hipnóloga colocou a energia a favor do cliente direcionando-a para o Chackra cognitivo.

 

No início do relaxamento para a sessão de Ressignificação em si e em pessoa admirável, a hipnóloga começou a sentir uma forte vontade de chorar, sem compreender os motivos, ativou o autocontrole no mesmo tempo que continuou a aplicar a técnica.

A vontade de chorar permanecia insistentemente até que, de repente, o cliente saiu do relaxamento, sentou-se no divã e disse: Por favor, vamos parar! Não consigo relaxar. Estou sentindo uma tremedeira em todo o meu corpo e não sei o que é isso.

Em consenso, decidiu-se por encerrar a sessão e analisar cognitivamente o que provavelmente aconteceu. Não foi possível comprovar nenhuma das hipóteses levantadas.

 

Cliente 25

 

1.       Na Regressão da Memória, aos 32 anos, a hipnóloga começou a sentir uma vontade de chorar muito forte. Sem compreender de onde vinha, pois tudo estava transcorrendo tranquilamente dentro do esperado, controlava o ímpeto da angústia e ao mesmo tempo em que continuava a aplicação da técnica. Quando a regressão contava os 29 anos, a cliente começou a chorar intensamente. Nesta idade a cliente perdeu sua mãe e a história que antecedeu o falecimento foi muito traumática. O inesperado nesta situação é que algum tipo de energia sinalizou para a hipnóloga, mobilizando suas emoções, que algum trauma estava prestes de ser explorado pela mente da cliente e, possivelmente, seria expelido da mente inconsciente.

 

2.       A mesma situação ocorreu durante a parte da técnica que trata do “Perdão”.

 

Cliente 26

 

No início do relaxamento, ao colocar a mão na testa do cliente para fins de baixar a ansiedade inicial, foi possível sentir uma energia adentrando em minha mão e percorrendo até o antebraço, dissipando-se antes de alcançar a altura do cotovelo.

    

 

 

Logo, considera-se importante aprofundar os conhecimentos em Física Quântica, Magnetismo Humano, Campo de Força Magnética e Leis Espirituais.

Nesta experiência clínica, foi possível perceber o quanto é  relevante, na aplicação da Hipnose Condicionativa, a vibração do sentimento de Amor.

Amar a pessoa que está à frente é fundamental para gerar uma força, um campo, um fluído capaz de ativar o Poder Curativo da Mente, ativar a potencialidade mental da pessoa em sofrimento emocional.

 

Quando o equilíbrio do centro emocional é restabelecido, a saúde, a felicidade e a vontade de viver são potencializadas na plenitude. (CROZERA, pg. 43, 2014) 

 

Código de Ética dos Hipnólogos Condicionativos

 

O atendimento ao cliente é mediado pelo Código de Ética Profissional descrito abaixo: 

Princípios Fundamentais

O Terapeuta:

I – Trabalhará na promoção do bem-estar do indivíduo, da coletividade e do meio ambiente, segundo o paradigma holístico;

II – Manterá constante desenvolvimento pessoal, científico, técnico, ético e filosófico, através de cursos, palestras, congressos e similares, estando a par dos estudos e pesquisas mais atuais na área,  além contribuir com seus estudos científicos;

III – Usará em seus trabalhos, métodos os mais naturais e brandos possíveis, buscando catalisar o auto-equilíbrio da pessoa atendida, despertando-lhe os seus próprios recursos harmonizantes;

IV – Orientar-se-á, no exercício de sua profissão, pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada em 10/12/1948 pela Assembléia Geral das Nações Unidas,

Direitos do Terapeuta

Art. 01 – Exercer a profissão de Terapeuta sem ser descriminado por questões de religião, raça, sexo, nacionalidade, cor, opção sexual, opinião política ou situações afins;

Art. 02 – Utilizar-se das técnicas sempre dentro das normas e regulamentos das leis, buscando  orientar a pessoa atendida através de aconselhamento profissional;

Art. 3 – Recusar a realização de trabalhos terapêuticos que, embora sejam permitidos por lei, sejam contrários aos ditames de sua consciência;

Art. 04 – Suspender e/ou recusar atendimentos, individual ou coletivamente, se o local não oferecer condições adequadas, ou se não houver remuneração condigna, ou ainda, se ocorrerem fatos que, a seu critério, prejudiquem o bom relacionamento com a pessoa a ser atendida, impedindo o pleno exercício profissional;

Art. 05 – Manter em seu poder as fichas clínicas, gravações eletrônicas e afins, das sessões realizadas como, documento, objeto de estudo e acompanhamento técnico profissional.

Responsabilidades Gerais do Terapeuta

Art. 06 – São deveres do terapeuta:

§ 1 – Assumir apenas trabalhos para os quais esteja apto, pessoal, técnica e legalmente;

§ 2 – Prestar serviços terapêuticos somente se: em condições de trabalho adequadas, de acordo com os princípios técnicos que envolvem a hipnologia clínica, ou pela prática, ou pela ciência e, sobretudo, pela ética;

§ 3 – Zelar pela dignidade da categoria, recusando e denunciando situações onde a pessoa atendida esteja sendo prejudicada;

§ 4 – Participar de movimentos que visem promover a categoria e o paradigma holístico em geral;

§ 5 – Estar devidamente registrado para o exercício de sua atividade profissional, quer seja como autônomo ou como pessoa jurídica;

§ 6 – Manter-se em dia com as obrigações constitucionais;

Art. 07 – Ao Terapeuta é vedado:

§ 1 – Usar títulos que não possua formação nem autorização;

§ 2 – Efetuar procedimentos terapêuticos sem o esclarecimento e conhecimento prévio da pessoa atendida ou de seu responsável legal;

§ 3 – Desrespeitar o pudor de qualquer pessoa sob seus cuidados profissionais;

§ 4 – Aproveitar-se de situações decorrentes do atendimento terapêutico para obter vantagens física, emocional, financeira, política ou religiosa;

§ 5 – Exercer a atividade terapêutica sem estar devidamente qualificado e legalizado;

§ 6 – Reduzir o tempo de cada sessão a fim de aumentar o número de atendimentos;

§ 7 – Permitir que a pessoa atendida, durante o período de tratamento, fique sem o acompanhamento de um profissional qualificado, na ausência do terapeuta responsável. 

§ 8 – Denegrir a integridade da categoria dos Hipnólogos Condicionativos, das técnicas e do Instituto Brasileiro de Hipnologia.

§ 9 – Promover, sem autorização, demonstrações públicas e exposição das técnicas por qualquer meio.

Das Relações com Outros Terapeutas e Outras Categorias Profissionais

O Terapeuta:

Art. 08 – Não será conivente com erros, faltas éticas, crimes ou contravenções penais praticadas por outros na prestação de serviços profissionais;

Art. 09 – Não intervirá na prestação de serviços de outro Terapeuta, salvo se: a pedido do próprio profissional; quando comunicado por qualquer uma das partes da interrupção voluntária do atendimento; quando se tratar de trabalho multiprofissional e a intervenção fizerem parte da metodologia adotada; em situações emergenciais, devendo comunicar o fato imediatamente ao outro Terapeuta;

Art. 10 – No relacionamento com profissionais de outra área trabalhará dentro dos limites das atividades que lhe são reservadas pela legislação e reconhecerá os casos que necessitem também dos demais campos de especialização profissional, encaminhando-os às pessoas habilitadas para tais funções;

Comissão de Ética:

Com objetivo de manter a integridade moral e ética das técnicas de Hipnose Condicionativa, fica criado pelo Instituto Brasileiro de Hipnologia a Comissão de Ética, que analisará e tomará as providências cabíveis em casos de desrespeito e desacato deste Código, farão parte da Comissão membros integrantes do Instituto convidados pela Direção.

Fonte: http://www.institutohipnologia.com.br

 

 

 

 

 SÍNTESE DEMONSTRATIVA DOS RESULTADOS OBTIDOS

Tratamento realizado em 2014



Cliente

Transtorno Emocional que foi foco da Hipnose

Resultado

Atualizado em 04/10/15

 

Cliente 01

Transtorno de Estresse Agudo e Dissolução conjugal

O cliente reconheceu seus processos de informações emocionais e identificou situações do passado que contribuíram fortemente para a constituição da sua personalidade.

Conseguiu realizar o seu objetivo: separação conjugal.

Recebeu alta terapêutica em setembro/14.

Cliente 02

Depressão-ansiosa com Síndrome de Pânico

A Psiquiatria retirou o Frontal (Tarja Preta) que tomava a 18 anos.

Cliente 03

Depressão-ansiosa Grave

 

 

Ficou 6 meses sem crise de Pânico. Teve recaída em Julho/15 e retornou para concluir o tratamento iniciado. Faltava tratar o sofrimento relacionado a morte do avô e o acidente do pai.

OBS: Como a cliente melhorou significativamente, ela mesma se deu alta.

Cliente 04

Dependência química

 

Mudança da água para o vinho...extraordinariamente fascinante!

Houve remissão dos sintomas;

Processo terapêutico iniciando a 2ª etapa com a hipnose. A primeira etapa abrangeu o abuso das substâncias químicas com sucesso; a segunda despertará o potencial criativo para manter distanciamento das emoções de terceiros. Essa etapa atuará nas causas da dependência química.

O cliente se deu alta após remissão dos sintomas na 1ª etapa.

Faltou concluir o tratamento com a 2ª etapa.

Cliente 05

Transtorno de Estresse Agudo; Câncer no intestino.

Adoecimento gravíssimo com exaustão biológica e psicológica somada a resistência a terapia (faltas) 

Cliente 06

Transtorno de Estresse Agudo e Transtorno de Estresse Pós-Traumático

O meio familiar implica na obtenção das mudanças no âmbito profissional e amoroso. Intensa pressão psicológica da mãe.

Cliente 07

Reações a estresse e agressividade

Atitudes da esposa implicam na obtenção da mudança essencial. O cliente conseguiu desenvolver o autocontrole. Porém, permanece em terapia cognitiva-comportamental associada a sessões de Hipnose Condicionativa devido a traumas recentes.

Cliente 08

Obesidade

Convenceu o esposo a concordar em deixá-la colocar o balão gástrico. Desistiu da terapia.

Cliente 09

Reações a estresse

Todos os traumas foram trabalhados um a um focando os elementos traumáticos de cada episódio traumático. Todos os traumas foram resolvidos e a cliente mudou a meta terapêutica para tratar uma bactéria presente no intestino.

Cliente 10

Síndrome do Pânico

Recebeu alta 

 

 

Cliente 11

Transtorno de Estresse Agudo e Transtorno de Estresse Pós-Traumático.

O processo de hipnose foi interrompido devido a necessidade de resolução de problemas conjugais. A cliente mudou de endereço e não foi possível continuar a terapia.

Cliente 12

Síndrome do vômito cíclico

 

Caso extraordinário com referências na gestação

A doença estava fixada no período da gestação e JAMAIS esta causa seria descoberta por meio de terapias convencionais. 

Após o processo completo de tratamento a cliente conseguiu viajar sozinha para Nova York e não houve nenhuma crise.

Recebeu alta terapêutica

Cliente 13

Depressão-ansiosa Grave

Houve resistência psicológica (curiosidade durante as sessões de hipnose) desde a primeira sessão e, posteriormente, a cliente parou a terapia antes de concluir o processo apresentando  motivos financeiros.

Cliente 14

Depressão-ansiosa e Problema Ocupacional (Grave)

Mudanças significativas foram apresentadas e mudou-se a meta terapêutica.

No início tratava-se o sono e questões de trabalho. Hoje iniciou-se o processo para emagrecimento.

Cliente 15

Obesidade Mórbida e Transtorno de Estresse Agudo

(caso grave-gravíssimo)

Não houve sucesso no tratamento com a Hipnose e nem com a Terapia cognitiva-comportamental;

Houve participação especial de uma outra profissional em Hipnose. Porém, não foi possível alcançar a meta desejada.

A situação diária de vida da cliente compete a permanência ao lado do filho com Esquizofrenia, implicando no insucesso da terapia.

Cliente 16

Depressão-ansiosa Grave com tentativa de suicídio

Câncer, fibromialgia, Adenoma na Hipófise, Transtorno obessessivo-compulsivo, problemas familiares e conjugal.

Houve melhoras significativas e continua em terapia para tratar os adoecimentos graves.

Cliente 17

Ansiedade Generalizada e Dificuldade de falar em público

O objetivo inicial não foi alcançado. Houve mudanças emocionais significativas. O cliente prefere intercalar sessões de Terapia cognitiva-comportamental com a Hipnose Condicionativa.

Sobre a dificuldade para falar em público, ocorreu um fato inédito: Não houve mais situações para que ele falasse em público. Até o grupo de discussão de temas no trabalho foi encerrado na semana que era a sua vez de apresentar um tema.

Cliente 18

Depressão-Ansiosa Grave

 

(In-Memoriam)

Durante a aplicação das técnicas foi percebido apneias significativas e após realizar o exame de Polissonografia foi comprovada 83 apnéias/h de sono.

O processo de hipnose foi interrompido .

Cliente 19

Ansiedade Generalizada e dificuldade para falar em público

Tornou-se professor universitário.

Cliente 20

Ansiedade Generalizada e dificuldade para falar em público com crises de Pânico

Recebeu alta terapêutica

Cliente 21

Transtorno de Estresse Pós- Traumático e Ansiedade Generalizada

Continua em terapia cognitiva-comportamental associada com Hipnose condicionativa para que se possa atender a todos os focos de atenção clínica.

Cliente 22

 

 

Transtorno de Estresse Agudo e Traumático; Depressão-ansiosa.

 

Recebeu alta terapêutica

 

 

Cliente 23

Ansiedade Generalizada

Localizou-se um trauma significativo relacionado ao nascimento e há intensa resistência do cliente para tratar essa etapa da sua vida.

O cliente se deu alta.

Cliente 24

Estado de Estresse Emocional

O processo ainda não foi concluído.

Cliente 25

Câncer de Mama

 

Caso extraordinário com referências traumáticas no nascimento da filha e ausência da mãe.


Resultados inéditos após a cirurgia da mama em relação ao seroma (ver descrição do caso)



A cliente realizou todos os procedimentos da Medicina mantendo-se com humor saudável as situações invasivas. 

Os efeitos colaterais das quimios vermelha e branca foram diminuídos por manter-se com o Psicológico em perfeita harmonia.

Não houve metástases.

Cliente 26

Estado de Estresse Emocional

O cliente se deu alta após exclusão dos sintomas.

Cliente 27

Medo de voltar ao uso compulsivo de cocaína e problemas conjugais

Solicitou na empresa uma transferência de cidade onde foi possível afastar-se do estresse conjugal e se libertar da culpa que sentia em estar longe do pai idoso que precisava da sua atenção e cuidados.

Cliente 28

Depressão-ansiosa com crises de Pânico

Trauma descoberto após sessão da Hipnose. Este trauma jamais seria trabalhado em terapia convencional, pois a cliente não fazia nenhuma associação consciente a este evento.

Recebeu alta terapêutica em 2014.

Em 2015 - Por acúmulo de funções no cargo de professora de nível superior teve uma recaída. Tratou com duas sessões de hipnose e tudo está resolvido.

Cliente 29

Desenvolver habilidades e competências em vendas

Após início do processo de hipnose a cliente realizou a venda de um imóvel.

A cliente se deu alta após vender o imóvel.

 

Cliente 30

Depressão-ansiosa e dependência química

Houve controle emocional sobre situações e pessoas que propiciavam a dependência química. Está feliz no trabalho com eventos realizados. Desenvolveu o auto controle e a auto disciplina.

Caso 31

Dificuldade para iniciar um relacionamento amoroso

Caso extraordinário

 

Mantém um relacionamento A UM ANO com uma mulher espiritualmente bem desenvolvida.

Recebeu alta terapêutica em Janeiro/15.

 

 

 

 A N Á L I S E

Esta análise foi realizada para conclusão da Monografia em Agosto/14

 

Em busca da saúde mental, com base na Terapia convencional, foi possível observar que a mente das pessoas é muito poderosa, muito capaz. Logo, buscou-se uma terapia que possibilitasse mobilizar essa força interior mais rapidamente e encontrou-se a Hipnose Condicionativa (HC).

Nesta busca, a terapeuta também experimentou os efeitos diretos das técnicas da HC realizando terapia com profissional capacitado. Neste sentido, foi possível experimentar os efeitos racionais e emocionais oriundos da HC.

O desenvolvimento da terapia com a Hipnose Condicionativa teve a duração de quatro meses (Abril a Julho/14) e atendeu trinta pessoas neste período.

A pergunta inicial que possibilitou essa busca incessante pela saúde mental foi: Como tratar o estado emocional do ser humano de forma ágil, eficiente e eficaz  possibilitando um tratamento efetivo de médio prazo?

Foi possível perceber que na mente estão todas as perguntas e todas as respostas para o sofrimento humano e que a Hipnose Condicionativa possibilita o contato com a parte da vida onde todo sofrimento começou. Também foi possível ver o desenvolvimento emocional das pessoas em tratamento com esta linha de pesquisa e saúde.

Sobre as técnicas aplicadas nesta experiência clínica, é possível afirmar que:

A técnica da Energização mobiliza o desejo de curar-se e aumenta a auto estima, fazendo uma limpeza no corpo físico e emocional, impulsionando o cliente para os aspectos positivos da vida e do viver ao mesmo tempo em que há uma energia que transcende ao corpo físico e interage no corpo mental e espiritual do cliente e da hipnóloga.

A técnica da Regressão da Memória possibilita o contato com os traumas da vida, mesmo que seja da vida em gestação, assim como, da vida em sua concepção onde, mãe e pai tiveram uma intenção quando geraram o filho (ver Teoria da Concepção do Dr. Luiz Carlos Crozera, no site do Instituto Brasileiro De Hipnologia). Durante a aplicação desta técnica foi possível chegar em traumas que a terapia convencional não alcançaria. Traumas datados na gestação e nascimento. Esta técnica também permite uma reavaliação do trauma experimentado e possibilita uma nova interpretação sobre o evento traumático. Além de eliminar a carga emocional experimentada no trauma e conduzir o cliente para novas experiências mais saudáveis da vida.                

         A técnica da Ressignificação em si e no outro possibilita uma nova forma de perceber a si mesmo como alguém capaz, vitorioso, competente e hábil. Buscando na mente inconsciente a acomodação desses elementos essenciais a sobrevivência humana.

A técnica dos Mecanismos Condicionadores – MC’s é fundamental em todos os processos. Por meio desses mecanismos é possível motivar novos pensamentos, novos sentimentos e consequentemente novos comportamentos de forma automática e rápida.

A técnica da Progressão Mental mobiliza a percepção de um futuro próspero e saudável levando a mente inconsciente a ver o mundo de uma forma mais adequada e possibilitadora de alcançar suas metas pessoais e/ou profissionais.

Em todas as técnicas mobiliza-se a força inconsciente que o ser humano possui para ter uma vida mais saudável e feliz. Com mensagens subliminares vai-se moldando a mente inconsciente a realizar a vida de forma positiva e realista ao invés de percebê-la de forma negativa e pessimista.

Uma análise para cada caso atendido é viável para o planejamento terapêutico subsequente. Logo,  faz-se uma análise  breve que é descrita abaixo:

Cliente 01: Diagnóstico: Transtorno de Estresse Agudo devido a separação conjugal. Foi possível aplicar três técnicas distribuídas em cinco sessões. Com isso, o processamento mental mudou automaticamente de vitimização e desamor para a responsabilização das suas próprias escolhas. E que a felicidade no relacionamento amoroso está embasada na desconstrução sistemática do autosacrifício, ou seja, evitar relacionar-se com mulheres que possuem transtornos emocionais evidentes.

Cliente 02: Diagnóstico Principal: Depressão-ansiosa com Síndrome de Pânico. O caso é grave e encontra-se em processo de avaliação.

Cliente 03: Diagnóstico: Transtorno de Estresse Pós-trauma, Síndrome de Pânico, Fibromialgia, Depressão-ansiosa Grave, Reação de estresse quase exaustão. Obesidade. Cinco técnicas foram aplicadas e seis sessões realizadas e grandes descobertas à partir do trabalho com a hipnose foram realizadas. (ver descrição do caso).

Cliente 04: Diagnóstico: Abuso de substâncias químicas (Maconha, cocaína, álcool, tabagismo e medicamentos); Redução volumétrica cortical encefálica, inespecífica. A Neurologia declarou que a atrofia cerebral é por causa do uso da maconha.

Foram aplicadas cinco técnicas e seis sessões realizadas foram suficientemente significativas para operar mudanças extremamente importantes na vida da família. (Ver descrição do caso). 

Cliente 05: Diagnóstico: Depressão-ansiosa; Transtorno de Estresse Agudo; Transtorno de Estresse Pós-traumático; Transtorno Obsessivo-compulsivo, câncer no intestino. Quatro técnicas foram aplicadas em cinco sessões de hipnose levando ao reconhecimento do adoecimento gravíssimo. (ver descrição do caso).

Cliente 06: Diagnóstico: Transtorno de Estresse Agudo e Transtorno de Estresse Pós-Traumático. Foi possível aplicar as cinco técnicas distribuídas em cinco sessões conforme o planejamento inicial e a meta terapêutica foi alcançada,  promovendo a alta quinzenal.

Cliente 07: Diagnóstico: Reação a estresse emocional e Depressão-ansiosa Moderada. Tres técnicas foram aplicadas distribuídas em quatro sessões e a meta terapêutica foi atendida, conforme relato do cliente. Foi decidido pela alta quinzenal para prevenção de recaídas.

Cliente 08: Diagnóstico: Obesidade. Duas técnicas aplicadas em três sessões foram suficientemente significativas para motivar ações em prol do próprio objetivo.

Cliente 09: Diagnóstico: Reação de estresse. Cinco técnicas foram aplicadas em cinco sessões conforme o planejamento terapêutico e a meta foi alcançada, promovendo a alta quinzenal.

Cliente 10: Diagnóstico: Síndrome de Pânico. Cinco técnicas foram aplicadas em cinco sessões conforme o planejamento terapêutico e a meta foi alcançada, promovendo a alta quinzenal.

Cliente 11: Diagnóstico: Transtorno de Estresse Agudo e Transtorno de Estresse Pós-Traumático. Tres técnicas foram aplicadas em três sessões, porém o processo de hipnose foi interrompido devido a necessidades de resolução de problemas.

Cliente 12: Diagnóstico: Síndrome do Vômito Cíclico. Duas técnicas aplicadas em duas sessões e foi possível descobrir um trauma importante relacionado com o adoecimento atual. Este trauma significativo está fixado no período da gestação. Logo, filha e mãe precisarão fazer o tratamento com a hipnose condicionativa para libertar-se da angústia atual. (ver descrição do caso).

Cliente 13: Diagnóstico: Ansiedade Generalizada Grave, Depressão Maior Moderada e Fibromialgia. Foram aplicadas quatro técnicas em quatro sessões de hipnose. A cliente conseguiu ser aprovada numa seleção de pessoal e começou a trabalhar. Já fazia muito tempo que não conseguia um emprego. O tratamento deve continuar visto que o adoecimento é grave. (ver descrição do caso).  

Cliente 14: Diagnóstico: Transtorno de Adaptação misto de Ansiedade e Depressão;

Problema Ocupacional; Fibromialgia. Foram aplicadas cinco técnicas em nove sessões. Mudanças importantes na vida familiar e profissional foram realizadas e doença grave foi localizada. (ver descrição do caso).

Cliente 15: Diagnóstico: Obesidade Mórbida, Depressão Moderada, Fobia Social e Transtorno de Estresse Agudo

Duas técnicas foram aplicadas em tres sessões. As relações estabelecidas entre sintomas e hipnose foram descartadas por meio de exames médicos e o tratamento continuado. (ver descrição do caso).

Cliente 16: Diagnóstico: Ansiedade Generalizada, Crises de Pânico, Depressão Grave com Tentativas de suicídio, Fobia Social, Fibromialgia, Compulsão por limpeza e compras, Câncer no intestino (três), Tumor na hipófise (Adenoma) medindo 1,8mm X 0,8mm. Cinco técnicas foram aplicadas em oito sessões e a cliente conseguiu resgatar a auto estima e alcançou a sua meta terapêutica. (Ver descrição do caso). A alta terapêutica não foi aplicada devido aos adoecimentos que merecem atenção clínica.

Cliente 17: Diagnóstico: Ansiedade Generalizada e dificuldade para falar em público. Cinco técnicas foram aplicadas em seis sessões e a meta do cliente foi parcialmente alcançada, implicando em alguns ajustes necessários. Porém, recebeu alta terapêutica quinzenal para prevenção de recaídas.

Cliente 18: Diagnóstico Principal: Depressão Maior Grave.  Duas técnicas foram aplicadas em duas sessões e descobertas importantes foram feitas redirecionando o diagnóstico e o tratamento. (ver descrição do caso).

Cliente 19: Diagnóstico: Ansiedade para falar em público. Cinco técnicas aplicadas em cinco sessões conforme o planejamento terapêutico. Houve bons resultados e o cliente recebe alta quinzenal.

Cliente 20: Diagnóstico: Síndrome de Pânico. Cinco técnicas aplicadas em cinco sessões conforme o planejamento terapêutico. Houve ótimos resultados e o cliente recebe alta quinzenal.

Cliente 21: Diagnóstico: Transtorno de Estresse Pós-Traumático, Ansiedade Generalizada e dificuldadde para falar em público. Cinco técnicas foram aplicadas em sete sessões. Houve bons resultados e a cliente deseja continuar o processo para alcançar outra meta terapêutica.  

Cliente 22: Diagnóstico: Depressão-ansiosa. Cinco técnicas aplicadas em cinco sessões e o tratamento se efetivou de acordo com o planejamento terapêutico. A cliente recebeu alta definitiva.

Cliente 23: Diagnóstico: Ansiedade Generalizada. Duas técnicas aplicadas em três sessões e foi localizado um trauma importante que não seria encontrado em terapia convencional. Um trauma no nascimento, onde o cordão umbilical enrolou-se no pescoço. Este trauma pode estar relacionado com a repressão de afetos e será devidamente tratado pela hipnose condicionativa.

Cliente 24: Diagnóstico: Estado de Estresse Emocional.  Tres técnicas foram aplicadas em três sessões, porém, nenhuma informação foi colhida até o presente momento.

Cliente 25: Diagnóstico: Carcinoma Ductal Invasivo Grau Nuclear Intermediário (diagnóstico 05 de junho/14). A Medicina convencional decidiu que só fará a cirurgia em setembro/14, mesmo que o câncer cresceu após a biópsia. Duas técnicas foram aplicadas em três sessões e um insight importante veio para a consciência assim que a sessão de hipnose acabou. Esta trauma de dezesseis anos atrás pode estar relacionado com  o câncer de mama. (ver descrição do caso).

Cliente 26: Diagnóstico: Estado de Estresse Emocional. Duas técnicas aplicadas em duas sessões, porém, nenhuma informação foi colhida até o presente momento.

Cliente 27: Diagnóstico: Abstinência de drogas (cocaína)= 1 ano e 8 meses. Tabagismo; Medo de voltar ao uso compulsivo de drogas; Relação amorosa conflituosa. Duas técnicas foram aplicadas em quatro sessões e o cliente encontra-se em processo de separação conjugal.

Cliente 28: Diagnóstico: Ansiedade Generalizada com crises de Pânico. Duas técnicas aplicadas em duas sessões e trauma descoberto pela hipnose jamais seria alvo de terapias convencionais, pois a cliente não fazia nenhuma associação consciente dos fatos.

Cliente 29:  Nenhum diagnóstico. A cliente deseja desenvolver suas habilidades e competências em vendas. Tres técnicas aplicadas em quatro sessões e quatro negociações  em vendas de imóveis surgiram. (Ver descrição do caso)

Cliente 30: Diagnóstico: Dependência química, Depressão-ansiosa e esquema cognitivo de Fracasso. Duas técnicas aplicadas em duas sessões e resultados ótimos emergiram. O cliente contratou dois eventos para o mês de agosto.

As técnicas utilizadas foram cinco e o número de sessões teve uma variação para alguns clientes devido a idade de cada um, pois na regressão da memória foi possível regredir trinta anos em uma hora e meia. O cliente com idade superior a trinta anos precisa fazer a técnica em duas ou três sessões dependendo da idade.

Nesta experiência clínica, foi possível perceber a importância de fazer uma relação entre a linha do tempo da vida referente aos traumas com os sinais expressos pelo corpo na regressão da memória.

Tendo em vista o número de clientes que aderiram a Hipnose Condicionativa, os horários de atendimento foram os mais diversificados. Houve atendimento nos três períodos do dia (manhã, tarde e noite) e, em nenhum dos casos atendidos pela manhã, não houve interferência do horário matutino para a efetividade da técnica.

Os impedimentos para que o fenômeno da Hipnose não ocorresse foram: curiosidade, medo de não retomar a consciência, desconforto físico no divã, barulho da sala vizinha (obra e descargas constantes no banheiro), barulho no corredor do edifício, barulho na sala de espera, estado ansioso e agitação interna devido a estresse diário.

Para os próximos atendimentos sugere-se que o cliente venha com roupas claras para que a hipnóloga possa perceber com maior clareza a respiração do cliente. Pois, esta é ponto fundamental para obter o sucesso no transe hipnótico.

As roupas pretas interferem nesta percepção implicando maior tempo para o relaxamento.

Com referência as energias que emergem no processo da hipnose sugere-se adquirir conhecimentos na área da Psicobioenergética e Metafísica.

 

Para ter uma visão mais clara sobre essa experiência clínica, alguns gráficos se fizeram necessários. São:

1.       Metas alcançadas e metas não alcançadas

2.       Concluíram o processo e desistiram

3.       Quantos receberam alta terapêutica

4.       Quantos seguiram a sequencia das técnicas e quantos precisaram de alteração

5.       Quantos tiveram percepção clara da mudança e quantos não perceberam a mudança

6.       Satisfação com a Hipnose Condicionativa

7.       Gravidade dos casos gravíssimos, moderados e leves.

 

 

 

 

 

 

 

C O N C L U S Ã O

 

À partir do pressuposto de que a vida, na sua complexidade, oferece meios para que as pessoas  possam lidar com o sofrimento de uma forma mais positiva buscou-se a Hipnose Condicionativa para proporcionar as pessoas um meio positivo e rápido para que seja possível se libertar dos traumas do passado que, por ventura, estão incomodando no presente impossibilitando o futuro.


Dessa forma, a hipnóloga também experimentou as técnicas por meio de terapia com uma profissional qualificada e, embasada na análise do seu próprio processo foi possível avaliar a metodologia utilizada com os clientes de modo a operar mudanças no planejamento terapêutico sempre que fosse necessário.


Entendeu-se que era necessário atender os trinta casos clínicos para responder a pergunta inicial. Que era: Como tratar o estado emocional do ser humano de forma ágil, eficiente e eficaz possibilitando um tratamento efetivo de médio prazo?


É possível afirmar que para cada meta terapêutica o processo é ágil, eficiente e eficaz quando não são descobertos novos traumas relacionados aos eventos atuais da vida. Quando a questão emocional é pontual fica mais fácil à partir do momento que se encontra a causa do problema e, também, quando a pessoa está realmente disposta a curar a sua vida e realizar as mudanças que são extremamente necessárias.


Os casos mais gravíssimos ou que tenham mais de dois transtornos associados necessitam de mais atendimentos, apenas cinco técnicas não foram suficientes nesta experiência clínica. Já os casos graves, moderados e leves foram bem sucedidos e apresentaram respostas significativas na vida pessoal e profissional do cliente. Mesmo nos casos que não receberam alta terapêutica observa-se um ganho expressivo para a saúde do cliente.

Interessante perceber que ao aplicar as técnicas da Hipnose Condicionativa o cliente  desenvolve a inteligência intelectual e a emocional. Dessa forma, mais habilidades e competências são desenvolvidas para lidar com o estresse da vida em sociedade, bem como, com a competitividade no mercado de trabalho. Portanto, a pessoa passa a ter auto controle e auto disciplina num processo mental automático sem precisar de um esforço cognitivo e comportamental.


Outro fator importante é ter um planejamento estratégico que inclua os processos fisiológicos de adoecimento. Ex. o processo do câncer; o processo da fobia social. Por meio deste conhecimento orgânico que inclui uma relação de interdependência entre corpo e mente é possível agilizar ainda mais o processo de cura. Compreender a dinâmica cerebral e dos órgãos internos do corpo humano possibilitará mais rapidamente encontrar a solução de problemas de saúde do nível do funcionamento orgânico.


Logo, observou-se, nessa experiência clínica, que há uma necessidade a priori,  que é o conhecimento do funcionamento afetivo, cognitivo, comportamental e social do cliente, bem como, da fisiologia humana. Acredita-se que estudos sobre genética, funcionamento do sistema nervoso central e periférico são válidos para ampliar a capacidade do potencial criativo da mente humana e poder curativo que reside no interior de cada ser humano. Isso significa dizer que é necessário um constante melhoramento, um constante aprendizado na ideia organísmica, ou seja, visão de complexidade do ser humano. Por exemplo: Relações da Psicologia com a Osteopatia, Medicina do Sono, entre outras especialidades. Quanto mais ampliada for a visão do hipnólogo mais chances de cura o cliente terá.


Quanto mais habilidade o hipnólogo possui para fazer raciocínios lógicos mais aumenta o poder de controle emocional do cliente. Dessa forma, conclui-se que reducionismo à parte orgânica e psicologismo à parte mental são desnecessário ao tratamento em Hipnose Condicionativa. Portanto, é necessário uma visão sistêmica de vida e um estudo contínuo sobre os processos mentais, orgânicos e sociais.


Tendo conhecimento que não é possível passar pelo processo de viver sem adversidades e traumas, este trabalho foi desenvolvido para apresentar-lhes a fantástica engrenagem da mente humana diante da sabedoria do universo cósmico.


Neste sentido, tem-se a saúde e a doença, a mobilidade e a paralisação, um engenhoso mecanismo que possibilita um estado de bem-estar físico e psicológico, mas também, abre passagem para o desenvolvimento da angústia, de toda infelicidade, desgastes emocionais e grandes desequilíbrios do centro emocional gerador de vida.


Por essas razões, declaro que a hipnose condicionativa é um instrumento valioso para tratar os transtornos psicológicos das mais variadas ordem, cito alguns. São: Depressão, Síndrome de Pânico, Drogas, Alcoolismo, Compulsões, Agressividade, Estresse Ocupacional, Estresse Traumático, Estresse Agudo, Ansiedade Generalizada, Problemas conjugais, Dedicação aos Estudos, Esquemas Cognitivos de Fracasso, Abandono, Auto-sacrifício, Rejeição, Desvalor, Desamparo, Vulnerabilidade a Danos e Doenças, Padrões inflexíveis, Ditadura dos Deverias, Vitimização, Maximização do Negativo, Subjugação, Dependência e Incompetência, Privação Emocional, Inibição das Emoções, Pensamentos Dicotômicos. Bem como, sentimentos de culpa, vergonha, timidez, raiva, medo, tristeza, humilhação, sensações de incapacidade, entre outras complicações psicológicas.


Logo, por meio dessas vinhetas clínicas, o leitor poderá fazer uma análise reflexiva sobre a sua própria saúde bio-psico-social e a necessidade de colocá-la no centro de equilíbrio da vida e do misterioso processo de viver.


Finalizando todo o trabalho de construção do conhecimento em Hipnose Condicionativa, sabendo-se que tal construção permanecerá por todas as práticas posteriores, foi possível observar que o nível de consciência da pessoa em relação as suas próprias qualidades aumenta consideravelmente e consequentemente a pessoa tem sua auto-estima aumentada. Isso significa dizer que no processo de Hipnose Condicionativa os pontos fundamentais para os mecanismos condicionadores atuarem são nos pilares que sustentam a auto-estima, ou seja, autoconfiança, autorrespeito e amor-próprio.


Logo, se a auto-estima estiver no nível adequado o sistema imunológico será correspondente. O inverso também ocorre, ou seja, se a auto-estima estiver enfraquecida ou quase nula, o sistema imunológico estará fragilizado também. Com isso, é possível refletir sobre a relação de interdependência entre a psiquê e o corpo.


Conclui-se que a Hipnose Condicionativa é uma ferramenta muito apropriada para o desenvolvimento da saúde emocional, da homeostase do organismo e da resiliência nas relações sociais. 

 

 

 

 

REFERÊNCIA BIBLOGRÁFICA

 

 

CROZERA, Luiz Carlos. Apostila do Curso de Hipnose Condicionativa. Instituto Brasileiro de Hipnose Condicionativa - São Paulo, 2014

 

MLODINOW, Leonard. SUBLIMINAR: como o inconsciente influencia nossas vidas. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.