Florianópolis / SC - sábado, 18 de novembro de 2017

ESQUEMAS COGNITIVOS Mal Adaptativo

 O conteúdo exposto nesta página foi readaptado da seguinte Bibliografia:

 

YOUNG, Jeffrey E. Terapia Cognitiva para transtornos de personalidade: uma abordagem focada em esquemas - 3ª ed. Porto Alegre : Artmed, 2003.

 

O QUE SÃO ESQUEMAS?

 

Os esquemas são crenças e sentimentos importantes sobre si mesmo e o ambiente que o indivíduo aceita sem questionar.

São autoperpetuadores e muito resistentes à mudança.

 

Um esquema é um padrão extremamente estável e duradouro que se desenvolve durante a infância e é aperfeiçoado durante toda a vida do indivíduo.

 

Mesmo que os esquemas persistam depois de formarem-se, nem sempre temos consciência deles, pois eles operam de modo sutil, fora da nossa consciência.

 

Entretanto, quando um esquema irrompe, ou é desencadeado por acontecimentos, nossos pensamentos e sentimentos são dominados por ele. É nesses momentos que as pessoas tendem a experienciar emoções negativas extremas e a ter pensamentos disfuncionais.

 

Nós vemos o mundo por meio dos nossos esquemas.

 

Segue, abaixo, uma breve descrição de alguns esquemas:

 

PRIVAÇÃO  EMOCIONAL

 

Este esquema refere-se à crença de que as necessidades emocionais primárias nunca serão atendidas pelos outros. Essas necessidades incluem carinho, empatia, afeição, proteção, orientação e interesse por parte dos outros. É comum os pais privarem a criança emocionalmente.

 

ABANDONO/INSTABILIDADE

Este esquema refere-se à expectativa de que logo serão perdidas as pessoas com as quais se cria vínculo emocional. A pessoa acredita que, de uma maneira ou outra, os relacionamentos íntimos terminarão iminentemente. Na infância, esses pacientes podem ter vivenciado o divórcio ou a morte dos pais. Esse esquema também pode surgir quando os pais foram inconsistentes no atendimento das necessidades da criança: por exemplo, pode ter havido muitas ocasiões em que a criança foi deixada sozinha ou desatendida por períodos prolongados.

 

DESCONFIANÇA/ABUSO

Refere-se à expectativa de que os outros, de alguma maneira, tirarão vantagens da pessoa, intencionalmente. As pessoas com esse esquema acreditam que os outros vão magoá-las, enganá-las ou desprezá-las. Elas com freqüência pensam em termos de atacar primeiro ou se vingar depois. Na infância, esses pacientes muitas vezes foram abusados ou tratados injustamente por pais, irmãos ou amigos.

 

ISOLAMENTO SOCIAL/ALIENAÇÃO

Refere-se à crença de estar isolado do mundo, de ser diferente das outras pessoas e/ou de não fazer parte de nenhuma comunidade. Essa crença normalmente é causada por experiências iniciais em que a criança vê que ela e sua família são diferentes das outras pessoas.

 

DEFECTIVIDADE/VERGONHA

Este esquema refere-se à crença de que a pessoa é internamente defeituosa e que, se os outros se aproximarem, perceberão isso e se afastarão do relacionamento. Esse sentimento de ser defeituoso e inadequado, muitas vezes, leva a um forte sentimento de vergonha. Os pais geralmente criticavam muito os filhos e faziam com que eles sentissem que não eram dignos de serem amados.

 

FRACASSO

Refere-se à crença de que a pessoa é incapaz de ter um desempenho tão bom quanto o dos outros na profissão, na escola ou nos esportes. Esses pacientes podem sentir-se burros, ineptos, sem talento ou ignorantes. A pessoa com esse esquema muitas vezes nem tenta fazer as coisas, porque acredita que vai fracassar. Esse esquema pode-se desenvolver quando a criança é desprezada e tratada como se fosse um fracasso na escola ou em outras esferas de realização. Os pais normalmente não proporcionavam suficiente apoio, disciplina e encorajamento para que a criança persistisse e tivesse sucesso em suas realizações acadêmicas ou esportivas.

 

DEPENDÊNCIA/INCOMPETÊNCIA

Refere-se à crença de que a pessoa não é capaz de assumir, de forma competente e independente, as responsabilidades do cotidiano. A pessoa com esse esquema depende excessivamente dos outros para tomar decisões e iniciar novas tarefas. Os pais, em geral, não estimularam a criança a agir de forma independente e a ter confiança em sua capacidade de tomar conta de si mesma.

 

VULNERABILIDADE A DANOS E DOENÇAS

Refere-se à crença de que a pessoa está sempre prestes a viver uma grande catástrofe (financeira, natural, médica, criminal, etc) e pode levar a preocupações excessivas para se proteger. Normalmente, um ou ambos os pais eram muito medrosos e passaram a idéia de que o mundo é um lugar perigoso.

 

SUBJUGAÇÃO

Refere-se à crença de que é preciso submeter-se ao controle dos outros a fim de evitar conseqüências negativas. A pessoa muitas vezes teme que, a menos que se submeta, os outros fiquem zangados ou a rejeitem. As pessoas que se subjugam ignoram seus próprios desejos e sentimentos. Na infância, geralmente, um dos pais ( ou ambos) era muito controlador.

 

AUTO-SACRIFÍCIO

Refere-se ao sacrifício excessivo das próprias necessidades a fim de ajudar os outros. Quando a pessoa presta atenção às próprias necessidades, geralmente sente-se culpada. Para evitar essa culpa, ela põe as necessidades dos outros acima das suas. Muitos pacientes que se auto-sacrificam obtêm um sentimento de auto-estima aumentada ou um senso de significado por ajudar os outros. Na infância, a pessoa pode ter sido obrigada a assumir excessivamente a responsabilidade pelo bem-estar de um ou de ambos os pais.

 

INIBIÇÃO EMOCIONAL

Refere-se à crença de que é preciso inibir as emoções e impulsos, especialmente a raiva, porque uma expressão de sentimentos prejudicaria os outros, ou levaria à perda de auto-estima, ao embaraço, à retaliação ou ao abandono. Essas pessoas podem não ter espontaneidade ou parecer contidos. Esse esquema é frequentemente provocado por pais que desencorajam a expressão dos sentimentos.

 

PADRÕES INFLEXÍVEIS/CRÍTICA EXAGERADA

Refere-se a duas crenças relacionadas. As pessoas acreditam que nada do que fazem é suficientemente bom, que eles sempre devem se esforçar mais, e/ou enfatizam excessivamente valores como status, riqueza e poder, à custa de outros valores como interação social, saúde ou felicidade. Normalmente, os pais nunca estavam satisfeitos e davam aos filhos um amor que estava condicionado a realizações notáveis.

 

MERECIMENTO/GRANDIOSIDADE

Refere-se à crença de que a pessoa deveria poder fazer, dizer ou ter tudo o que quisesse, independentemente de isso magoar os outros ou lhes parecer razoável. Ela não está interessada nas necessidades dos outros, nem está consciente do custo a longo prazo de afastá-los. Os pais que são excessivamente indulgentes com os filhos e não estabelecem limites sobre o que é socialmente apropriado podem favorecer o desenvolvimento desse esquema. Alternativamente, algumas crianças desenvolvem esse esquema para compensar sentimentos de privação emocional, defectividade ou indesejabilidade social.

 

AUTOCONTROLE E/OU AUTODISCIPLINA INSUFICIENTES

Refere-se à incapacidade de tolerar qualquer frustração na busca de objetivos, assim como à incapacidade de conter a expressão de impulsos ou sentimentos. Quando a falta de autocontrole é extrema, comportamentos criminosos ou aditivos regem a vida. Os pais que não modelaram autocontrole ou não disciplinaram os filhos adequadamente podem predispô-los a ter esse esquema quando adultos.

 

 

COMO OS ESQUEMAS FUNCIONAM

ADAPTADO DA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

Psicoterapias cognitivo-comportamentais: teoria e prática / (orgs) Renato M. Caminha... [et al.]. São paulo: Casa do Psicólogo. 2003

 

É por meio de 3 (três) processos que os esquemas exercem sua influência sobre o nosso comportamento. São eles:

 

Processo de MANUTENÇÃO do esquema:

No nível cognitivo a pessoa tem uma atenção tendenciosa ou supervaloriza informações que são consistentes com o esquema mental. Exemplo: Quem tem o esquema de vulnerabilidade a danos e doenças tende a vasculhar seu corpo em busca de sinais que venham indicar algum tipo de doença.

Em nível comportamental: Ao receber uma crítica, tendo o esquema de defectividade e vergonha, a pessoa corrobora suas idéias de inadequação.

 

Exemplos de pensamentos automáticos desse processo:

1.      Eu não consigo...

2.      Meus pensamentos negativos são mais fortes do que os positivos.

3.      É difícil sair de onde estou.

4.      Sempre fui assim, como vou mudar?

5.      Sou tanso(a), idiota, feio(a)....

6.      Aceito tudo que ele(a) diz.

 

Com pensamentos desse tipo, a pessoa mantém seus esquemas mentais de forma a gerar sofrimento contínuo. Tais esquemas mentais se ativarão constantemente de forma a levar o indivíduo a não realizar o seu projeto de vida e a comprometer o psíquico com doenças do tipo depressão, ansiedade, psicossomáticas e, na evolução, possíveis transtornos psiquiátricos graves.

 

Processo de EVITAÇÃO do esquema:

Esse mecanismo que mantém a validade dos esquemas funciona com o objetivo de evitar um contato direto com o esquema.

No nível cognitivo: A pessoa pode falar: "Não quero pensar sobre isso"

No nível afetivo: Há o bloqueio de sentimentos.

No nível comportamental: Indivíduos com esquema mental de indesejabilidade social e alienação tendem ao isolamento social. Exemplo: Prefiro ficar em casa vendo televisão do que ir aquela festa.

 

Exemplos de pensamentos automáticos desse processo:

 

1.      Não irei ao jogo de vôlei da empresa, ficarei em casa vendo TV.

2.      Uma separação agora não é viável, esperarei mais um ano para ver se ele(a) melhora no tratamento comigo.

3.      Apresentar o trabalho? Nem pensar? Pode ir você!

4.      Falar com a gata? Não! Não! Deixa quieta!

5.      Estou com saudade dele. Vou telefonar! Não. Melhor não incomodá-lo.

6.      Queria esclarecer essa dúvida, mas não sei......deixarei para depois.

 

Com  pensamentos desse tipo, a pessoa evita que o esquema mental se ative. Veja que, se o indivíduo fazer o que realmente deseja ele estará ativando seus esquemas mentais. Como essa ativação é dolorosa para o psíquico e insuportável para a consciência, a pessoa evita realizar o seu desejo. Com essa estratégia permanente ele vai adoecendo o físico e o mental sem perceber que ao evitar a dor psicológica mantém os esquemas mentais sobrevivendo com muita energia no seu psicológico. Dessa forma, cada vez menos irá desenvolver novas habilidades cognitivas, afetivas  e comportamentais.

 

 

 

 

 

 

PROCESSO DE COMPENSAÇÃO do esquema:

Uma pessoa que apresente um esquema mental mal adaptativo de fracassso em realizar-se pode engajar-se em uma série de trabalhos e projetos ficando sobrecarregada de tarefas das quais não consegue dar conta. Como reflexo disso, nenhum trabalho ou projeto será concluído com um nível de qualidade esperado pela pessoa, reforçando suas idéias de insucesso.  

Aqui, o leitor poderá perceber que este processo tende a compensar algum esquema cognitivo com outro esquema cognitivo.

 

Exemplos de pensamentos automáticos desse processo:

1.      Eu ajudo você com esse trabalho sim. “Devo ajudá-lo sempre” (Normalmente este funcionário ficará depois do horário fazendo horas-extras para conseguir concluir o seu trabalho) Esquema de auto sacrifício compensando o esquema de abandono.

2.      Não me realizo sexualmente e ainda vem esse sujeito querer tirar vantagem do meu trabalho. (Normalmente esse indivíduo terá uma tendência a agressão verbal ou física no ambiente de trabalho ou em casa). Esquema de falta de auto controle compensando o esquema de Merecimento e grandiosidade.

3.      Devo ser amistoso, carinhoso e não devo falar o que penso. (Esse pensamento levará o indivíduo a ser submisso e a se auto sacrificar para ganhar o amor das pessoas) Esquema de subjugação compensando o esquema de Privação Emocional.

4.      Eu mereço realizar-me em meu projeto de vida a todo custo. (Esse pensamento levará a pessoa a ser submissa ou agressiva para compensar a não realização do esquema de merecimento e grandiosidade.) Esquema de falta de auto controle compensando o esquema de Merecimento e Grandiosidade.

Normalmente o estilo de compensação acaba ativando com freqüência o esquema de falta de auto controle e auto disciplina.

É importantíssimo lembrar que todos os pensamentos automáticos são processos irracionais (inconscientes) e muitos deles não são percebidos pela pessoa ou apenas parte deles é percebida.